Equipe Venezuelana Registra as Primeiras Imagens e Sons de Espécie Redescoberta

By brasil junho 14, 2021
eBird

Urich's Tyrannulet Phyllomyias urichi © David Ascanio

Uma equipe de expedição na Venezuela, liderada pelo ornitólogo David Ascanio e apoiada pela American Bird Conservancy (ABC), redescobriu a espécie Phyllomyias urichi no mês passado. A espécie foi descrita pela primeira vez em 1899, mas só foi avistada duas outras vezes: uma na década de 1940 e outra em 2005. Com tão poucos registros, a espécie é uma das aves menos conhecidas da América do Sul, e com seu habitat de floresta nublada sendo desmatado para a agricultura, os cientistas temem que esta espécie endêmica possa em breve estar em risco de extinção.

A equipe da expedição provou que a Phyllomyias urichi ainda ocorre na Venezuela, capturando as primeiras fotos nítidas e o primeiro registro de sua vocalização, começando a dos dar mais informações sobre seu comportamento e ecologia.

“É como um pequeno Shrek”, diz Ascanio sobre a pequena ave verde-oliva, que é semelhante em cores ao popular personagem do filme. “Não é tão marcante quanto muitas outras aves na mesma floresta, e tem um chamado estridente, mas se estiver lá, significa que a floresta é saudável”. Está alinhado com a presença de todas essas outras maravilhosas aves da floresta e de outras espécies”. Eu estava tremendo de excitação quando a vimos pela primeira vez”!

Com Assistência do eBird

Para pesquisadores da American Bird Conservancy e do Cornell Lab, dados do eBird ajudaram a trazer à sua atenção a essa espécie.

“A Phyllomyias urichi era uma das únicas dezesseis espécies de aves em toda a América do Sul que ninguém havia registrado no eBird nos últimos 10 anos, por isso imediatamente se destacou para nós como uma das aves mais mal conhecidas do continente”, diz John C. Mittermeier, da ABC. “Considerando que ela também está em perigo e que grande parte do habitat em sua pequena área de distribuição desapareceu desde a última vez que foi vista, tentar encontrar a espécie e confirmar que ela não tinha sido extinta era uma importante prioridade de conservação para nós”.

Graças à descoberta de Ascanio e sua equipe, alguns aspectos do comportamento e do habitat de P. urichi foram trazidos à vida. Ascanio e sua equipe arquivaram suas fotos e gravações de áudio no Cornell Lab e na Macaulay Library, onde estão disponíveis ao público para pesquisas e esforços de conservação. Junto com as novas descobertas sobre onde esta ave vive, estas informações podem ajudar os grupos de conservação a começar a tomar as medidas necessárias para protegê-la.

Uma longa busca

A equipe da expedição esperava originalmente revisitar o local onde o último avistamento de P. urichi havia sido feito em 2005 por Ascanio e Mark Sokol, professor de música e companheiro de observação de pássaros. Mas, nos anos desde o avistamento, a floresta onde Ascanio e Sokol tinham visto a espécie tinha sido quase completamente desmatada e convertida em pasto.

Forçada a encontrar um novo local para a ave, a equipe utilizou imagens de satélite e sugestões da população local para identificar dois locais que pareciam potencialmente promissores. Eles também receberam uma pista em um terceiro site de uma fonte inesperada: Ascanio estava olhando o Instagram quando notou uma foto de uma montanha densamente florestada supostamente tomada perto de Yucucual no estado de Monagas, não muito longe de um local onde um exemplar da P. urichi havia sido coletado em 1943.  Ele entrou em contato com o fotógrafo Carlos Matheus e após ouvir um pouco mais sobre a floresta, Ascanio decidiu acrescentar o local à sua busca pela espécie.

Quando os membros da equipe chegaram às montanhas, descobriram, para sua consternação, que um dos três locais já havia sido fortemente degradado, com muitas das aves residentes na floresta desaparecidas. Em outro, chovia tanto que era impossível procurar por aves. Na área ao redor de Yucucual, porém, eles encontraram uma encosta lindamente florestada, como na foto do Instagram. E, com sorte, o tempo estava perfeitamente limpo.

Mesmo nesta bela floresta, no entanto, encontrar as primeiras P. urichi em mais de uma década não foi tarefa fácil. A equipe procurou por 10 horas, e de repente, para seu deleite, um par de pequenos pássaros de cor verde desceu e se empoleiraram em um galho na parte inferior da copa das árvores. Na manhã seguinte, a equipe foi capaz de encontrar um segundo par e gravar suas chamadas pela primeira vez.

Escute as gravações da vocalização da espécie.

Esperança para o futuro

“É incrível que estas florestas ainda acolham surpresas e espécies praticamente desconhecidas”, diz Lina Valencia, Coordenadora Andina do Re:wild, que ajuda os cientistas a procurar espécies perdidas em todo o mundo. “Expedições a áreas remotas como Yucucual-Mata de Mango são extremamente difíceis, mas é realmente encorajador encontrar uma espécie tão rara como o P. urichi“.

With so much of the forest in the area gone, Yucucual-Mata de Mango may be one of the only places left where the Urich’s Tyrannulet still survives. Ascanio hopes that with the help of the local community, this forest will become a destination for birders and ecotourists, and that the habitat, the tyrannulet, and the many other unique species living there will be protected for years to come.

Conteúdo para esse artigo fornecido por American Bird Conservancy. Leia aqui o release completo. Contatos: Devin Murphy (dmurphy@rewild.org) e John C. Mittermeier (jmittermeier@abcbirds.org)