Desafio Atlas: registar as exibições territoriais de açor e gavião

By jdomingues fevereiro 24, 2020
Açor. Foto de: Radovan Václav (CC BY-NC 2.0)

Esta é a altura perfeita para ver duas das mais discretas aves de rapina diurnas da nossa fauna. Em fevereiro e março, o açor e o gavião (ou fura-bardos) abandonam um pouco o seu típico comportamento esquivo. Nesta época, é possível observar estas espécies em voos de exibição territorial e de parada nupcial, no espaço aéreo por cima do seu território. Por este motivo, esta é a época de eleição para detetar a presença de açor e gavião e registar as evidências da sua reprodução.

Voos de exibição do açor

As duas aves de um casal fazem voos planados por cima do seu território. O macho pode picar sobre a fêmea, de asas fechadas, bem acima da copa das árvores. O macho e a fêmea também podem voar lentamente, a cerca de um metro de distância um do outro, com batidas profundas e lentas, mantendo as asas acima do plano do corpo. Por vezes, enquanto planam, afastam as penas sub-caudais de ambos os lados da cauda de forma muito conspícua.

 

Exibições territoriais do gavião

Ambos os sexos fazem voos de exibição territorial sobre o seu território. Voam alto, batendo as asas de maneira lenta e deliberada enquanto sobem para, em seguida, picarem e repetirem o movimento novamente. O parceiro pode segui-los em voo mas, geralmente, apenas é visível um indivíduo.

Desafio aos observadores

A SPEA lança o desafio: submeta aqui no PortugalAves/eBird as observações de açor e de gavião com o código de nidificação adequado. Ao fazê-lo estará a contribuir dados valiosos para o III Atlas das Aves Nidificantes, já que o comportamento habitualmente esquivo destas espécies dificulta a tarefa de determinar a extensão da sua distribuição.

 

Obrigado pelo seu contributo, e boas observações!

Share