Bem-vindo à eBird Brasil

Birding no século 21

Notícias e recurso

Plantações de dendê afetam os movimentos de aves líderes de bando misto florestais na Amazônia

Grande parte dos desmatamentos na Amazônia foram e são causados pela implementação de monoculturas para consumo humano. A
região mais ameaçada da Amazônia atualmente encontra-se no Leste em uma área biogeograficamente conhecida como Centro de Endemismo Belém compreendida entre os rios Tocantins e o Rio Pindaré no Maranhão. Um conjunto de pesquisadores do Museu Paraense Emílio Goeldi (BR), Universidade Federal do Pará (BR) e da Universidade Tecnológica de Michigan (EUA) testaram se a fragmentação das florestas por plantações de dendê poderia interferir na movimentação de grupos de aves insetívoras de sub-bosque, ou seja, se estas aves poderiam transpor as áreas onde não havia mais florestas para chegar ao fragmento vizinho.

Como diferenciar os rajados: bem-te-vi-rajado, peitica e bem-te-vi-pirata

Diversas duplas ou grupos de espécies de aves apresentam conhecida dificuldade de diferenciação, tanto por leigos quanto por pessoas mais experientes. Algumas necessitam de análise profunda das características para uma segura identificação.

Abordaremos aqui o caso de três espécies que apresentam plumagem modesta maculada e causam muita dúvida aos amantes das aves, principalmente porque todos ocorrem em todo o Brasil e podem ser encontrados em um mesma passarinhada. São eles os rajadinhos: bem-te-vi-rajado (Myiodynastes maculatus), Peitica (Empidononus varius) e bem-te-vi-pirata (Legatus leucophaius).

A fotografia de aves está na ciência para ficar de vez

Quando eu era uma criança lá pela década de 90, as câmeras fotográficas profissionais eram o tipo de equipamento que só fotógrafos teriam. Naquela época, meus pais tinham uma câmera amadora de uma lente reflexiva (SLR) muito simples. Eles sempre me avisavam para gastar os filmes, que eram caros, apenas com ocasiões importantes. Ocasiões importantes para eles eram aniversários, passeios e encontros com a família e amigos. Para mim, ocasiões importantes eram achar animais na natureza. Mas, tentar fotografar aves com aquelas câmeras era uma perda de tempo e dinheiro porque as aves nunca paravam tempo suficiente para uma boa foto.

Expedição Marambaia

A região da Marambaia, situada na divisa dos municípios de Jaú, Itapuí e Bariri (SP), é uma grande área úmida que abrange a foz do rio Jaú no rio
Tietê, na altura do remanso da Usina Hidrelétrica de Bariri. Além da beleza cênica, a área apresenta uma avifauna riquíssima, que inclui aves características do Pantanal, como o tuiuiú, o cabeça-seca, a água-pescadora, o colhereiro e a anhuma. Observadores de aves da região já registraram no local 185 espécies. Há o potencial de que seja um ponto importante de parada de aves migratórias. A Expedição Marambaia, ocorrida de 10 a 12 de fevereiro de 2017, foi organizada para dar maior visibilidade a essa região, que até o momento não conta com nenhuma proteção legal. Além de tornar a Marambaia conhecida entre birders de outras regiões, a expedição aproximou birders, fotógrafos, sociedade civil e poder público de Jaú e região.

Primeira análise de voz e novos registros do pinto-d’água-carijó

Artigo recém-publicado na revista científica The Wilson Journal of Ornithology (“Primeira Análise de Voz e Novos Registros do pinto-d´água-carijó“) resultado de uma série de incríveis coincidências. Tudo começou no início de agosto de 2015, quando um exemplar de pinto-d’água-carijó (Coturnicops notatus), uma das aves menos conhecidas do mundo e habitante de áreas úmidas sul-americanas, foi achado por uma alma caridosa no centro da cidade de Pelotas.

Desafio eBirder do Mês – Fevereiro

Compartilhar é cuidar. O desafio eBirder do mês de Fevereiro, patrocinado por Carl Zeiss Sports Optics, é sobre passarinhar com os outros. Pode ser um dia no campo com um amigo de passarinhadas de longa data, com quem você tem visitado o mesmo parque local há 30 anos, ou alguém que está apenas começando. Pode ser alguém […]

Em busca do tietê-de-coroa

O tietê-de-coroa (Calyptura cristata), desapareceu duas vezes na história da ornitologia, a primeira no século XIX e a segunda na década de 90. O pequeno pássaro com uma crista vermelho alaranjada e cauda curta não foi visto nos últimos 20 anos. Será que esta espécie ainda existe na natureza? E se for encontrada, o que poderia ser feito pra salvar uma das aves mais raras do planeta? Uma expedição sairá em busca destas respostas, agora no mês de outubro.

Tutorial: Como solicitar dados do eBird para realizar sua pesquisa

Você sabia que pode solicitar dados para o eBird para realizar sua pesquisa?
Sabe aqueles mapas ou artigos científicos que citam o uso dos dados do eBird? Você também pode usá-los!
Os dados do eBird podem ajudar a fazer estimativas de ocorrência, migração ou qualquer outra pergunta que os dados possam te oferecer. Todos os dados que entram no eBird passam por um filtro e se caso algo não estiver dentro do esperado para a localidade ou espécie, nosso corpo de 38 moderadores irá acompanhar mais de perto o registro com o intuito de validar ou ajudar a consertar o erro. Além disso, as listas podem ter fotos e sons para validar o registro. Ou seja, esse pode ser um grande banco de dados para o seu projeto.

eBird Mobile 1.3: códigos de reprodução e comportamento

Uma nova versão do eBird Mobile (1.3) que permite que você marque códigos de reprodução e comportamento em suas listas móveis— está disponível para download em iOS e Android. Esse novo recurso permite que você marque a atividade reprodutiva das aves com maior facilidade. Mais de 110 mil eBirders já utilizaram o eBird Mobile até […]

Desafio eBirder do mês – Setembro

O desafio eBirder do mês de setembro, patrocinado por Carl Zeiss Sports Optics, deixará seus binóculos apontados para o céu. Conforme a estação muda em setembro, o movimento das aves inicia o que talvez seja a melhor parte do ano de um observador de aves: a migração. Esteja você ao norte do Equador no outono, […]